Posts tagueados

textinho

Refletindo

Você tá ficando com o rapaz a algum tempo, acha ele lindo, querido e tudo de bom e sente que isso é recíproco. Como saber se vale a pena investir em algo sério com o rapaz? Ou até mesmo se vale a pena levar um namoro adiante? Antes de tomar qualquer decisão no calor do momento você precisa ter certeza absoluta que concorda (ou ao menos atura) algumas formas de ele ver a vida: repare como ele lida com a família, com os amigos e até mesmo com o dinheiro que ele ganha. Não tô falando que você precisa fazer ele passar por um questionário de 100 perguntas antes de assumir alguma coisa. Basta ir reparando aos poucos durante os papos. Muitas coisas podemos perceber ainda nos primeiros encontros. Certas atitudes ficam muito mais evidentes e irritantes com o passar do tempo. Então, se ele não faz questão de estar

Leia Mais
Refletindo

Quem nunca hesitou antes de trocar de trabalho, mudar de cidade ou terminar um namoro? E trocar a graduação da faculdade, aceitar um grande desafio, encarar uma entrevista de emprego… Ao longo da vida, passamos por inúmeras situações em que nos deparamos com questões difíceis, que desejamos mudar, mas temos medo de tomar uma atitude. Todo mundo conhece uma pessoa insatisfeita com o trabalho, namorado ou até mesmo com o seu círculo de amizades. Dizem, aliás, que o ser humano é o eterno insatisfeito. Isso, no entanto, não deve servir como desculpa e sim como pontapé para uma mudança. Não está feliz? Mude! Está de saco cheio? Simples: permita-se. Permita-se conhecer lugares novos, pessoas diferentes, faça atividades fora da sua rotina, planeje viagens bacanas, sinta novas paixões ou amores, compre um vestido novo, ou simplesmente curta um lindo por do sol. Apenas se você se permitir é possível começar uma

Leia Mais
Refletindo

Ser mulher é um dom. Na ultrassonografia a mamãe descobre que tá grávida de uma menina. É ela! Pode comprar tudo rosa. Chega de tip top amarelo. Ela tá vindo para arrasar. É uma menina, ainda não é uma mulher. Algumas meninas só se tornam mulheres no primeiro pé na bunda que recebem daquele babaca. Ou quando tomam coragem e acabam com o primeiro namorado. Sabe? Aquele momento que você tira um peso das costas que nem sabia que carregava. Já algumas meninas se tornam mulheres logo no primeiro salto que experimentam, no primeiro batom que usam. Elas nasceram pra isso. Mas existem aquelas que nunca se tornarão mulheres. Aquelas que nunca deixaram as intriguinhas gratuitas de lado. Aquelas que paqueram o namorado da amiga. Aquelas que são rudes e dispensáveis. Essas serão meninas para sempre e não merecem ser chamadas de mulheres. Carregar o fardo de “mulher” não é

Leia Mais
Refletindo

Se ela disse o quanto te adora, pediu conselhos sobre o que responder para a SMS do Paulinho e de quebra te chamou de querido, sorria. Bem vindo a friendzone. E sim, lá faz um pouco de frio. Mas às vezes é quentinho. E quem sabe, um dia, talvez, possa vir a ser bem caliente. Da amizade surgem bons amores, diria um poeta que eu não lembro qual. A friendzone é um lugar bacana que colocamos caras bacanas, que de primeira não nos interessam para algo carnal, mas são incríveis e não estão ali de bobeira. São nossos amigos. Acredito, inclusive, que os melhores amores são sucedidos de belas amizades. É bem mais fácil, e talvez mais gostoso. Quem sabe até meio complicado, se relacionar com uma pessoa que sabe de antemão suas dores, aflições e questionamentos. E quando é complicado é bom. A amizade masculina é essencial. Homens são

Leia Mais
Refletindo

O que te pede pra pagar a conta no (final do) primeiro encontro – Não sejamos feministas ou machistas. Sejamos apenas sensatos neste primeiro exemplo clássico. A maioria das mulheres são super adeptas aos direitos iguais e quem lê as minhas colunas sabe que eu defendo dividir os gastos e acho bacana a sinceridade de um cara falar ‘pô, to duro, preciso maneirar na grana’. Mas tudo tem limite, intimidade e hora certa. O cara te chama para um restaurante chiquerérrimo, vocês bebem vinho da safra de 1200 e bolinha, comem entrada, prato principal, sobremesa e café e ele só avisa que tem caranguejo no bolso na hora que a conta chega? Me desculpe, mas não vai rolar. Ninguém chama uma mulher para um primeiro encontro em um restaurante bacana sem como bancar. A única solução é (ele) lavar os pratos. O que adia o encontro porque está cansado do

Leia Mais
Refletindo

Em algum momento vocês vão se encontrar. Seja no meio de qualquer canto da cidade ou curtindo um mesmo status no Facebook. Não importa quem terminou ou porque terminaram. O fato, é que aquela pessoa que participava da sua vida na mesma frequência que você calçava chinelos, não existe mais no seu dia-a-dia e anda solta por aí. De amigo íntimo de todas as suas cores de calcinha, de repente, aquele cara se transformou num estranho fora do ninho. E o pior: ele já está construindo um ninho novo, que pode estar em qualquer canto do planeta terra. Existe a possibilidade dele surgir no meio da rua trocando de calçada ou esbarrando em você no corredor do shopping. Encare: enquanto não diminuem os preços de passagens para marte, é inevitável, você e seu ex podem se ver qualquer dia desses. O que esqueceram de te contar é que o mais

Leia Mais
Refletindo

Não são só eles. Nós também odiamos esse período nebuloso. TPM dá preguiça demais. Trabalho demais. Pensa comigo, o quanto é desgastante e chato, a possibilidade de ter mais de três sensações e quatro sentimentos em menos de dez minutos. Nem na final de pênaltis de Flamengo e Fluminense os homens sentem isso. Nem comer uma torta de limão proporciona isso. Mentira, proporciona sim. Ou melhor, cura que é uma beleza! E o detalhe: esse turbilhão avassalador acontece todo mês. Não tem muito escape. A gente acorda, e de repente está louca. Se estou caindo no clichê de escrever sobre a TPM, é por que eu Tô meio Pirada Mesmo. A gente fala uma coisa e pensa outra. Ou pensa uma coisa e fala outra. Fazemos bagunça e inventamos problemas onde está zen. Nos transformamos em defensoras de pequenas causas – uma pomba machucada dói o coração (e olha que

Leia Mais
Refletindo

Está faltando união. Falta acreditar em nós mesmas. Falta ter mais amizade e mais coragem para apresentar o namorado para amiga loira e bonita sem medo, sem neura, sem insegurança. Sinto falta de celebrarmos mais nossas conquistas com brindes de sinceridade. Sabe como? Rir mais para gente e não da gente. Menos inveja, menos disputa de melhor bolsa, melhor sapato, melhor cirurgião plástico. Aposentaríamos o nosso colar de olho gordo, que anda no pescoço como um mantra. Sinceramente, mulherada, pra quê? A gente sabe que não é por medo de inveja do vizinho, do amigo, do primo. No fundo, não esperamos que venha de um homem. Morremos de medo de nós mesmas. Provaríamos para o mundo que somos uma raça unida. Que feio nos desunir, se nascemos do ventre da mãe – da melhor amiga. Conseguimos direitos de amar livremente e caímos na hipocrisia de culpar a amante. Nos orgulhamos

Leia Mais
Refletindo

O amor vem depois da paixão até mesmo no namoro. O amor é quase um parto, pois muitas vezes ele só nasce depois de 9 meses juntos. Para a paixão virar amor, ela passa por provas complicadíssimas. Literalmente: estudamos coisas absurdas e muito chatas. Como, por exemplo, porque raios é preciso que a gente suporte que o namorado nunca e jamais levantará a tampa do vaso. Ou no caso deles, porque, meu Deus, é tão difícil que ela entenda que eu preciso urgentemente tomar uma cerveja com o João. E esses exemplos são extremamente tolos perto de grandes dificuldades que existem na matéria moderna de Mark Zuckerberg, “relacionamento sério, séríssimo”. A paixão é espaçosa. Folgada demais. Ocupa sempre uma cadeira a mais em qualquer lugar que um casal recém formado esteja. O amor talvez seja menor e mais simples de aprender. Sem querer, ele vira uma equação de menos logaritmos.

Leia Mais
Refletindo

É sempre assim. Você não sabe direito o que aconteceu e as memórias da noite passada ficam um pouco embaçadas pelas lágrimas e pelas palavras que vocês arremessaram um no outro. Não era pra ser assim. Você não queria ter dito aquelas coisas. Será que ele queria mesmo ter falado o que falou? Você não sabe. Não sabe nem onde ele tá agora enquanto você tá deitada no seu edredom cor de rosa encharcado de raiva e arrependimento. Por que nos sentimos idiotas por acreditar em alguém? Acorda, menina! Idiota é ele que mentiu, enganou e não teve coragem pra dar o passo que você deu. Terminou. Chega de chorar por quem, ultimamente, não andava te fazendo sorrir.

Leia Mais